Inicio >> Contos >> Fodemos feito loucos

Fodemos feito loucos

Tá com saudade, né? Eu sei. Tua mensagem não é uma surpresa. Meu corpo se encaixou perfeitamente no teu – e quando isso acontece é tão mágico que vicia. Se não bastasse – puta merda – o beijo casou e o teu pau parece que foi feito pra minha buceta. Fodemos feito loucos. Sem parar. Incansavelmente. Uma troca mutável de prazer. Lembro como nos adaptávamos bem a cada posição. Eu por cima e tuas pernas fechadas me dando toda a flexibilidade necessária pra rebolar. Eu esfolando com gosto o meu clitóris na tua pele. Tua mão esquerda segurando firme o meu pescoço e a outra massageando os meus seios – esses que tu tanto gosta de pegar; chupar; passar a vara. Tá com saudade, né? Eu sei.

Não poderia ser diferente. Os teus olhos o tempo todo conversando com os meus. Tu lendo as expressões do meu rosto e eu as do teu corpo. A putaria falada no pé do ouvido e os palavrões exclamados em bom tom por todo quarto. Tua língua macia esparramada por toda a minha vulva. Teu pau calando a minha boca. As estocadas pausadas e fortes. Tu me perguntando se eu aguentava com cara de provocação. Eu te pedindo pra meter. Pra foder gostoso. A gente olhando a nossa orgia pelo espelho. Tem como não sentir saudade?

Eu quicando em você com o corpo inclinado de propósito pra tu assistir a minha bunda dançar no seu ritmo favorito – TESÃO. Pra tu me olhar fodendo enquanto a fumaça sobe e nossos corpos recitam a poesia mais gostosa de todas. Porque sexo é poesia – já cantou Rita Lee. Calor. Gemidos. Putinha. Safado. Porra. Muita porra. A minha no teu pau. E a tua escorrendo na minha coxa. Sentiu saudade, né? Eu sei. Soube ainda durante a foda, quando estava lambendo tuas bolas e massageando a cabeça do teu pau, e tu me disse que tava com medo de viciar no meu sexo. Tava estampado nos teus olhos a satisfação de ME TER ali.

Kau Mello

Autor Marister Souza Santana

Blogueira, master trainer, empresária, coach sexual e profissional capacitada em saúde e educação sexual, ceo da Bebela Lingerie.

LEIA TAMBÉM

Sexo no ônibus

O dia seguia normal. Cheguei a rodoviária por volta das 1830hs , chovia muito em …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *